Roubo de luxo de 38 milhões mostra incompetência na Sonangol  e traz lençol sujo do enriquecimento ilicito.

Roubo de luxo de 38 milhões mostra incompetência na Sonangol  e traz lençol sujo do enriquecimento ilicito.

O roubo de Luxo de 38 milhões de dólares na Sonangol. Resulta em acusações e crispações entre ex-PCA da Sonangol Isabel do Santos e o actual PCA da Sonangol Carlos Saturino.

Jerónimo Nsisa José – Autor do texto

da Eng.ª Isabel dos Santos.

Criam cesarianas nas relações mplaristas e masturba meticulosamente o sofrimento na vida das populações. Que a décadas pelas politicas desgovernativas tornou-se cicatriz indelével .

Há muito que surripiar os cofres do estado de forma diabólica afigura-se doutrina governativa por parte do MPLA. E o povo é apenas um instrumento de ensaio de bons discursos e de doações das sobras.

É deplorável assistir-se um jogo que parece revanchismo de colegas que durante meses gizaram estratégias bem delineadas saqueando o país – As defesas de que nos são dadas a observar pelas redes sociais por parte da Isabel dos Santos, revestem-se de uma dose de verdades sem verdades porque, ao povo nunca lhe foi prestada qualquer informação quanto o funcionamento da empresa pulmão do país e não é hoje que devemos ser alvo de justificações.

 

A coragem do actual PCA da Sonangol em vir ao público e revelar o fosso entre ganhos e as perdas. Resultantes da gestão menos patriótica de quem terá substituído, deve ser reputada com nota positiva pois que. Se a tónica sociopolítica gravita em “ Corrigir o que está mal e melhorar o que está bem”. Quem serve-se da transparência e honestidade é efectivamente digno que OSCAR GOVERNATIVA E SOCIAL.

OS desvios de milhões dos cofres do estado por parte dos governantes deste país, não me surpreendem porque. Esta é a filosofia governativa que caracteriza o MPLA – Roubar, roubar e roubar.

O inquérito da PGR não se espera qualquer resultado que vá contra a Isabel dos Santos porquanto. O sistema de justiça angolano está obeso de mediocridades ora. Há anos que brinda-nos com belas peças teatrais no campo estrutural e funcional. Só funciona para os gatunos de galinhas, botijas e telefones.

No programa DEBATE LIVRE da TV ZIMBO , a displicência argumentativa do Sociólogo JOÂO PAULO GANGA. Que defendia a observância na sensibilidade do período de transição e afirmando que. Julgar a Isabel dos Santos na cadeira de réus belisca o ambiente de negócio interno/externo e atenta a honra do Seu pai Eng.º JES. Foli extremamente pornográfico vê-lo a fazer elucubrações advogando os erros .

Talvez alguns analistas políticos deste país, estejam a pensar o país como um quintal. E não uma república onde as leis sejam eloquentemente iguais para todos.

Será que tem-se mesmo a noção quantas escolas, hospitais, outras infraestruturas sociais teríamos construído com 38 milhões de dólares. E outros pagamentos de empresas de consultoria fictícias dentro da Sonangol?

Tem-se mesmo a noção quantos angolanos morrem de seca e fome na região sul de Angola?

Tem mesmo informação quantos angolanos morrem. Perdem casas e outros pertences por causa das chuvas em Luanda e noutras províncias do país?

Está-se a brincar de país. A má governação por parte do MPLA atingiu o orgasmo!

Os governantes e outros políticos por terem conquistado a independência e a paz do conflito armado interno. Que também durou 27 anos fruto da ambição pelo poder e corrupção, dão a entender que o país deve-lhes. E que devem fazer do erário público o que lhes convier.

Os filhos dos pobres e antigos combatentes têm sido os objectos de ensaio da justiça porquanto. Por um roubo de galinhas, botijas e telefones aplicam-se as molduras penais e aos filhos dos governantes são intocáveis.

O país está avariado e precisa-se mentes despidas de medo e aplicação da justiça justa. Porque, os crimes cometidos pelos servidores públicos devem merecer um tratamento devido. Com vista a inibir qualquer cidadão que queira enveredar pelo mesmo caminho.

Se os discursos de combate a corrupção e impunidade terão praticidade neste país. Queremos ver a actuação imparcial da PGR quanto a denúncia desta situação.

O país precisa ser país e não ser como fazendo dos governantes e gestores públicos.

Governar não é ter filhos e enteados, os tribunais devem ser casas de justiça e não meros comités de especialidades de juristas. Que somente trabalham para condenar as cabuenhas (cidadão comum).

Eng. Jerónimo Nsisa

Close Menu