Até quando o CANFEU será refém da partidarização? CANFEU ou CANFEU-JMPLA – Jerónimo Nsisa José

Até quando o CANFEU será refém da partidarização? CANFEU ou CANFEU-JMPLA – Jerónimo Nsisa José

Nos anais académico-científicos deste país, há vozes dos estudantes que vêem o espaço ciência “CANFEU”. A ser tomado de assalto pelo MPLA.

Após um longo período de auscultação de certos militantes do mesmo partido. Pude perceber que, a iniciativa da criação do CAMPO NACIONAL DE FÉRIAS DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS coube ao MPLA. Por esta razão, vemos mais afluência dos estudantes universitários e outros não universitários afectos ao MPLA.

Se a tónica sócio-política gravita em “Corrigir o que está mal e melhorar o que está bem”. Urge despartidarizar a academia porque se efectivamente persistir-se neste moldes deve-se trabalhar na alteração da nomenclatura “ CANFEU_JMPLA e não CANFEU. Que traduz a inclusão de todos os estudantes universitários portanto. A selecção dos participantes tem incidência nos comités de ensino superior e CAP´s .

Acredito que seja difícil mudar de postura porém, convido os militantes do MPLA a libertarem o espaço ciência de forma homogénea em todo o país. As universidades devem ser berços do saber e não para bloquear o cérebro dos jovens.

Nas universidades há multiplicidade de jovens com filiação político-partidárias diferentes e outros apartidários entretanto. Vêem o seu direito de participar do CANFEU a fim de partilharem know-how. Experiências e cultura a ser-lhes roubado por um partido que asfixia o espaço ciência público.

Acreditava eu que, com os novos paradigmas este ano tivéssemos uma postura mais consentânea nos desígnios patrióticos. Que desembocassem na devolução da cientificidade às universidades e em todas actividades extra- universitárias e /ou escolares.

Nos escassos dias, ao ver o primeiro secretário-geral do MPLA a fazer a abertura do CANFEU percebi que. O carácter nefário na partidarização do estado por parte do MPLA é cancerígena e merece ser abordado com profunda persistência.

Deve-se fazer vénia a iniciativa da criação do CANFEU por parte do MPLA pois que, afigura-se como um espaço propício para intercâmbio académico-científico e cultural entre os estudantes universitários porém. Ao criar-se este projecto tê-lo-iam dado ao Ministério do Ensino Superior e não torna-lo como fórum e/ou conferência político-partidária. Que país queremos final?

As universidades se lhes fosse dado a oportunidade de gerir o mesmo projecto. Quiçá teriam modelos próprios da apresentação dos projectos de intercâmbio e os requisitos para participação dos seus estudantes. Porem, o MPLA parece-nos que já não ouve!

Precisa-se com maior urgência possível libertar as universidades da politica activa ora. É deplorável o que se assiste nas associações dos estudantes “ Todos os responsáveis são militantes do M”. E os mesmos fazem deste órgão como meios privados para selecionar os seus amigos e militantes do MPLA a constarem das listas do CANFEU anualmente. Mesmo que tenham terminado a universidade – Desta forma estupra-se o país na cientificidade e meritocracia!

As propostas de lei do OGE demostram a adoção de verbas para o CANFEU todos os anos. Como pode o MPLA apoderar-se de um órgão que recebe dinheiro de todos os angolanos?

Sabe-se que o projecto da sua criação é originário dos mesmos. Porém, tal comportamento coroe a ética republicana e cientifica de uma nação.

Quando um partido invade o espaço ciência do seu país suicida a cientificidade das instituições de ensino. Factor que concorre na hibernação da liberdade de pensamento dos jovens.

O bloqueio da liberdade de pensamento dos jovens durante décadas por filiação político-partidária a partir das universidades. É o veneno social para o desenvolvimento substancial do país nos mais variados domínios.

Precisamos despir as universidades do perfume partidário e promover a meritocracia na cientificidade dos estudantes. Como componente fulcral na aposta da aprendizagem técnica e profissional visando o desenvolvimento do país que se augura!

Impõe que se tome medidas profiláticas a partidarização do ensino universitário que tem consequências funestas na qualidade dos quadros nacionais e a produtividade dos mesmos nas instituições onde estejam enquadrados!

Quando um partido invade o espaço ciência, mata a cientificidade e quem mata a cientificidade, mata o desenvolvimento do país!

 

Jerónimo Nsisa José

Close Menu